sexta-feira, 9 de março de 2012

A CHEGADA DE LAMPIÃO NO INFERNO – UM CLÁSSICO DO CORDEL



APRESENTAÇÃO

Nenhum personagem foi mais descrito pelo cordel do que Lampião. Sem sombra de dúvida, essa literatura ajudou a mitificá-lo, pois na linguagem cordeliana é o assombro do sertão. Dizem até que o poeta que se preza, terá dedicado ao menos uma obra ao cangaceiro. Encontramos viagens poéticas sobre ele no gracejo, ficção, bravura, crueldade, bondade, religiosidade, enfim centenas de títulos descrevem o homem temido e respeitado, amado e odiado por muitos.
Há quem diga que Lampião era líder de um movimento social, outros apenas um facínora da pior espécie. Confusões e distorções a parte, o certo é que existem clássicos a seu respeito que ultrapassam gerações e encantam leitores dos mais variados. Lembrando alguns citamos Os cabras de Lampião de Manoel D’Almeida Filho, considerada a melhor biografia de Virgulino e seu bando. Lampião o Rei do Cangaço de Antônio Teodoro dos Santos, e outro título interessante Lampião e sua história toda contada em versos de Antônio Américo de Medeiros.
Na ficção, são incontáveis as obras acerca do pernambucano que deu muito trabalho as volantes e que na visão do poeta Costa Senna, só foi possível, porque teria uma proteção misteriosa apontada em Lampião e o seu escudo invisível. A chegada de Lampião no céu de Rodolfo Coelho Cavalcante é mais um clássico; Lampião e Maria Bonita no Paraíso, tentados por satanás de Jotabarros; A chegada de Lampião no Purgatório de Luiz Gonzaga de Lima entre outros. No entanto, indubitavelmente o mais famoso, é este que tem a primeira estrofe bastante conhecida:

Um cabra de Lampião,
Por nome Pilão-Deitado,
Que morreu numa trincheira
Um certo tempo passado,
Agora pelo sertão
Anda correndo visão,
Fazendo mal-assombrado.

Pelo intróito percebemos que é uma ficção carregada de bravura, graça e poesia. José Pacheco, cônscio de sua arte, leva seu leitor a lê-lo avidamente, ansioso pelo desfecho. Descreve minuciosamente como se deu a visita do cangaceiro ao local conhecido por todos como do mal. Imagens como estas, reforçam cada vez mais que Virgulino Ferreira era tão valente que enfrentava até mesmo o diabo.
Neste mesmo folheto acompanha A grande briga de Lampião com a moça que virou cachorra. A peleja ocorre numa sexta-feira da Paixão, dia que, segundo a tradição cristã é de reflexão sobre a morte do Cristo, no entanto Lampião, valente que era não teria respeitado.
Na Peleja dum cantador de coco com o Diabo, o autor insere uma linguagem própria da embolada, e por destoar da tradição cordeliana, não contém suas características fundamentais, diferentemente do texto O prazer do rico e o sofrimento do pobre, que fecha esta publicação, onde Pacheco, mostra sua capacidade poética, numa síntese magistral da vida do rico e do pobre. Boa leitura a todos.

Varneci Nascimento
São Paulo - 2012

Um comentário:

WWW.MERCADOZETS.COM.BR disse...

MELHOR SITE DE VENDAS http://www.mercadozets.com.br/

VENDE DE TUDO

LAMPIÃO

http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?texto=lampiao&IDCategoria=178

CAMPING

http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?idCategoria=178

VENDE DE TUDO TEM BERÇO ELETRONICOS CELULARES TV NOTEBOOK COMPUTADOR ACESSORIOS PARA CARROS BRINQUEDOS ARTIGOS INFANTIS E MUITO MAIS