domingo, 29 de maio de 2016

CORDEL NA VIRADA CULTURAL DE MOGI DAS CRUZES

Mais de trezentas pessoas lotaram o Theatro Vasques de Mogi das Cruzes para assistir o Stand Up em cordel, uma proposta diferente do humor feito por Varneci Nascimento. Em sua apresentação, o poeta e humorista passeou pelo mundo do cordel brasileiro, dos causos engraçados, das situações do dia a dia da vida. Foi uma hora repleta de graça, riso e empatia entre o escritor e a plateia. Recitou cordéis de sua autoria como PERGUNTA IDIOTA TOLANCIA ZERO Vol. 2, trechos de AS PALHAÇADAS DE ZÉ ARIGÓ, O CORDEL DA HEMORRÓIDA, entre outros, além de brincar com a plateia e contar piadas que arrancaram risos e aplausos espontâneos de um público eclético pela idade e naturalmente receptivo. O show ainda contou com a participação do poeta pernambucano, residente em Mogi, Cacá Lopes. Agradecemos a produção da Virada Cultural de Mogi bem como a acolhida ao nosso artista Varneci Nascimento.

Telma Queiróz

Produtora Cultura




quinta-feira, 17 de março de 2016

BATE PAPO NO PROGRAMA PAPO SÉRIO COM CHALITA

Participei ontem 17/03 do programa Papo Sério, apresentado por Gabriel Chalita, escritor e secretário de educação da prefeitura de São Paulo. Numa conversa descontraída falamos sobre literatura, cordel, academia, enfim o papo transcorreu numa fluidez que nos surpreendemos com a rapidez do tempo. O programa vai ao em ar em breve pelo Canal de Tv do portal IG e vai ser mais uma entrevista, visando divulgar ainda a força do Cordel Brasileiro. Agradeço ao convite de Chalita para discutirmos e pensarmos o cordel como um gênero literário brasileiro.






quarta-feira, 16 de março de 2016

SARAU NA BIBLIOTECA DE SÃO PAULO

Domingo 13/03, a convite do meu amigo Ferreti fui ao Sarau mensal que acontece na Biblioteca do Parque da Juventude, ao lado do metrô Carandiru, onde tive a oportunidade de conhecer a Terezinha Dias Rocha coordenadora do evento. Foi um momento interessante, pois também apareceram por lá minha amiga Edi Maria, Silas e Ricardo e por fim o Gadelha. Mais um sarau que conheci na cidade de São Paulo, um movimento que cresce a cada dia e oferece um espaço imensurável para a poesia.





segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

A EXPERIÊNCIA DOS SARAUS

Antes de encerrar 2015 não posso deixar de mencionar uma experiência interessante vivida neste ano em São Paulo: conhecer os Saraus espalhados por esta imensa metrópole. Foi enriquecedor beber na fonte da poesia de vários poetas pujantes e cada um a seu modo, espalhando diversidade e versatilidade nos quatro cantos da cidade. Qualquer dia da semana, caso lhe sobre disposição, tem um sarau de portas abertas esperando sua poesia, com uma plateia disposta a aplaudi-lo. Sempre fui recebido com carinho e alegria, desde os coordenadores dos Saraus as plateias ecléticas e dinâmicas. Sem citar nomes para não ser injusto, agradeço a todos e espero que em 2016 possamos continuar espalhando sementes ou quem sabe até colhendo os frutos plantados durante este ano. Que no próximo ano possamos escrever para enriquecermos este mundo carente de verdade e menos fanatismo, mais abertura e menos alienação, mais acolhimento e menos preconceito. Venha 2016, repleto de boas novas.








sábado, 19 de dezembro de 2015

A PRIMEIRA VEZ NO CLAMARTE E NO SARAU DA MADRUGADA

A sexta feira da semana passada foi movimentada. Primeiro saí com a Telma Queirós para o Projeto Clamarte onde tive a oportunidade de pisar naquele solo sagrado da poesia pela primeira vez. Reencontrei amigas como a Juliana, o pessoal dos Retirantes Jean e Robert e tantos outros como o amigo Norberto. Do Clamarte agradeço a acolhida do Casulo. Depois de uma rodada agradável de música e poesia, seguimos para o Sarau da Madrugada na Avenida João de Lucca. Em São Paulo o que não falta é espaço para a poesia, portanto quem tem seu talento poético não perca a oportunidade de mostrar seus dons. Do Sarau da Madrugada agradeço a acolhida da Narla. Quanto mais poeta melhor para semearmos a semente da poesia nesta cidade calejada pela violência e pelo medo uns dos outros.
















domingo, 13 de dezembro de 2015

ÚLTIMA BODEGA DO BRASIL DO ANO

Na última Bodega do Brasil do ano foi também comemorado o aniversário de Costa Senna, um dos fundadores deste sarau. Além do evento em si, que se estende até as 23h., é também uma oportunidade de encontrar velhos e fazer novos amigos, enfim partilhar um pouco daquilo que cada um sabe e tem de melhor. Foi anunciado quando será o lançamento do livro em homenagem ao Costa Senna, no primeiro sarau de 2016 para que todos possam ter uma ideia mais abrangente da obra deste homem que há mais de trinta anos semeia arte por onde passa.
Além da Alice, linda filha de Cacá e meu xodó, dessa vez reencontrei amigos como Rosangela, o Henrique que foi pela primeira vez juntamente com o Vinícius e o amigo deles o Carlos, que veio da Alemanha. Assim a poesia vai se espalhando e conquistando mais corações. Obrigado pela presença e participação de todos. Ano que vem tem mais poesia.





sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

PALESTRA EM PÓS-GRADUAÇÃO

O sábado passado foi movimentado, pela manhã ministrei uma palestra numa pós-graduação para contadores de história em A CASA TOMBADA, situada perto do metrô Barra Funda. O convite partiu da amiga Andrea Sousa e lá fui recebido por todos os participantes do curso e a direção da Casa. O evento foi uma maravilha, pois encontrei pessoas encantadoras, sedentas de conhecimento para aumentarem ainda mais a capacidade de encantar outras pessoas, contando história. Uma manhã agradabilíssima, pois além de divulgar o cordel brasileiro, tive a possibilidade de transmitir um pouco dessa arte. Quem conta história torna o mundo melhor, simplesmente por contar história, uma das coisas bonitas dessa vida. Obrigado pela partilha de vocês e pelo acolhimento com o gênero literário chamado cordel.








terça-feira, 24 de novembro de 2015

SARAU DE CORDEL NA ILHA DO BORORÉ

No sábado passado, a convite do meu amigo Eric Filipe estive no SARAU DE CORDAS na Ilha do Bororé, convite feito desde agosto e que só agora foi possível atendê-lo. O sarau acontece sempre no terceiro sábado de cada mês na Ecoativa, um local que a comunidade da Ilha cuida com carinho e respira arte. O sarau foi um luau feito no meio do tempo, depois a chuva nos pegou corremos para dentro de casa, bem na hora que me apresentava, a chuva foi levada não sei se para a Cantareira e aí retornamos para o redor da fogueira, afinal lá faz muito frio, por está ao lado da represa Billings. Os saraus têm sido locais de manifestação de diversas artes e os espaço para os anônimos se manifestarem e a poesia ganhar o mundo, seja através da música, do cordel, de um momento de convivência. Também a amizade é cultivada e os laços afetivos se tornam cada vez mais presentes e sólidos. Reencontrei a turma boa e animada do Sarau do Grajaú, o amigo Daniel Brito, uma voz sempre presente e atuante, a dupla dos Retirantes Roberto Holanda e Jean. Enfim um momento ímpar que espero revivê-lo em breve para reencontrar as simpaticíssimas amigas do Eric que agora também se tornaram nossas.